terça-feira, 3 de março de 2009

VIOLÕES BRASILEIROS (4)

Este é um daqueles casos que só acontecem no nosso país: praticamente desconhecido no Brasil, o violonista Laurindo de Almeida (além do site oficial, há muito bom blog, aqui), foi um dos mais admirados e festejados artistas brasileiros no exterior.

No Brasil atuou até fins da década de 40, tocando com alguns dos maiores nomes da música brasileira: Garoto, Pixinguinha, Radamés e Villa-Lobos, entre outros. Radicado, desde então, nos EUA, onde faleceu em 1995; ganhou seis Prêmios Grammy, além de uma série de outros prêmios da indústria fonográfica e cinematográfica. É dele, por exemplo, o famoso bandolim em O Poderoso Chefão, além de centenas de participações e trilhas sonoras de outros filmes e séries de televisão famosos. Mais importante ainda: foi talvez o principal divulgador, entre os músicos, da bossa nova e da música brasileira, exercendo papel análogo ao feito por Carmen Miranda para o público em geral; de cuja orquestra, aliás, fez parte.

Autor de mais de mil composições, entre as peças populares destacam-se Choro for People in Love, Twilight in Rio e Sahras' samba. No início da década de 60 formou o Modern Jazz Quartet e é dessa época a performance que escolhi. Tocando Samba de Uma Nota Só (Tom Jobim & Newton Mendonça - 1959) transparece toda a elegância da formação clássica e a extrema precisão na execução dos acordes. Os americanos enlouqueceram quando o viram tocar guitarra (elétrica) sem fazer uso de palhetas...

11 comentários:

  1. Ei moço!
    Uma nota só, né?
    É de uma imensa sabedoria!
    beijo, meu ídolo
    ;)

    ResponderExcluir
  2. Ei Udi,
    seu comentário me chamou a atenção: essa letra não podia ser do Vinícius... rss

    Fui conferir; a parceria é com Newton Mendonça, com quem Jobim compôs vários outros clássicos.

    E sim, "outras notas vão entrar, mas a base é uma só."

    ResponderExcluir
  3. Isso! O "Chega de Saudade", do Ruy Castro tem umas passagens bem interessantes sobre essa fase da parceria do Tom com o Newton Mendonça.

    Sim a escala musical tem 7 notas, se não estou enganada? :)))

    ResponderExcluir
  4. Ei Érre, você conhece esse blog?
    loronix.blogspot.com

    acho que vai gostar

    ResponderExcluir
  5. Não li (e não gostei... rss) a referida obra, mas confirmo a tese. Se não estou enganado, o Newton Mendonça era também ótimo pianista e nas parcerias entre os dois não se sabia, afinal, quem havia feito a música ou a letra...

    Sim, querida. Acrescentando os bemóis e os sustenidos somam 35 sons diferentes...

    Conheço não. Vou? rss

    ResponderExcluir
  6. Não foi ainda? (...mais risos! ...muitos!)

    ResponderExcluir
  7. ...mas daí não dá prá ser sempre a mesma base. (ai...! essa foi terrível, concordo!)

    ResponderExcluir
  8. Puxa, Udi. O link é bom mesmo. Thanks!

    (como assim, não dá pra ser a mesma base? "Essa outra é consequência do que acabo de dizer", ora! rss)

    ResponderExcluir
  9. tem esse também
    http://abracadabra-br2.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Ah, as cordas... Gosto mundo do som delas! O bailar dos dedos fita-me o olhar e os acordes acalmam-me o coração. Mas o que é bom por muitas vezes é esquecido... Algo que me entristece!

    Bela gentileza, RM!

    PS.: Peço lincença para seguir-lhe...

    ResponderExcluir
  11. Capitu,
    a mim é que me honra.

    ResponderExcluir