domingo, 10 de maio de 2009

ORAÇÃO PARA MÃES DESNATURADAS



A Pietá, de Miguelangelo.

Aquelas que sonegaram carinho, que cuidaram por obrigação, amaram para serem amadas. Aquelas, tão diferentes da minha, que não obstante, definha em leito de morte à conta-gotas. Que tenham um outono suave, saudável velhice e a vida se lhes esvaia antes do corpo.

Aquelas que nunca perderam noites, insones à espera. Não choraram cada choro, cada febre, cada dor, cada tristeza. Aquelas que nunca sofreram a dor extrema da morte de um filho. Aquelas, tão diferentes da minha, perdida em noite de esquecimento, sozinha. Que seus filhos se lembrem e se alegrem nas lembranças.

Aquelas que faltaram com o dever, relapsaram a responsabilidade, não educaram, não conduziram nem encaminharam. Aquelas, tão diferentes da minha, entrevada, sem voz, parada. Que seus filhos criem exemplos, inventem a superação e retornem ao seio materno, agradecidos.

Aquelas sem consolo, sem piedade e sem fé. Aquelas que jamais morreriam pelos seus e nunca se doaram. Aquelas, tão diferentes da minha, que já não consegue rezar. Que Deus as proteja.
.

36 comentários:

  1. Eu oraria pelos filhos dessas mães.

    Fiz uma "homenagem" de dia das mães (em comentário no Arguta), aos pais dessa geração à qual você pertence que souberam dividir de forma mais igualitária as "responsas" que antes eram consideradas apenas das mães.

    ResponderExcluir
  2. acho de mau gosto, extremo, este post. Se conhece a sua, ao contrário das que "acha" não terem amado seus filhos, faça um favor a si próprio: console a sua, ame-a ainda mais em seus momentos etéreos. Para quê destilar esse fel por sobre mães que desconhece?! Mãe-mãe Ama Doa Insone Sofre Sacrifica, tudo. ponto final. Já mãe não tenho, sou mãe, e da mãe que tive, imperfeita, como qualquer ser, guardo o que Me foi - MÃE! Que Saudades!

    Não quero ofendê-lo, mas se fosse mãe jamais escreveria o que escreveu. Convidá-lo-ia a deletar o post. Sei que o não fará. mas pense em fazê-lo, mais não seja pela Sua Mãe.

    ResponderExcluir
  3. Udi,
    sim, faço parte dessa geração. E, creio, se não mudou o sentido da maternidade, tem mudado, e muito, o da paternidade. Para melhor!

    Catarina,
    escrevi esse modesto texto em homenagem à minha mãe, doente "terminal" há muitos anos, padecendo do terrível Mal de Alzheimer.
    Se a cada interpretação distinta - por culpa de quem escreve ou de quem lê -, me dispusesse a deletar a postagem; melhor seria não postar.
    Também considerei seu comentário de extremo mau gosto, mas pelas razões acima o manterei.
    Ainda assim, seja bem vinda!

    ResponderExcluir
  4. Seja. O título "Mães desnaturadas", por culpa minha, que li, me levou ao comentário contínuo. expliquei a minha visão, não entendo a sua,o que lhe não retira valor, claro. penso apenas que homenagear alguém não devia implicar desvirtuar terceiros. esqueça´o "gosto". mas percebeu? não há vida para lá de ser mãe. e todas elas sofrem a insegurança incerteza de não serem "as melhores", porque filhas, sabem do peso do passado, deixado por suas mães, a quem nunca consideramos desnaturadas. mais uma vez peço desculpa pelo comentário. mexeu.

    ResponderExcluir
  5. rm,

    lindíssimo texto, lindíssimo. e, embora não a conheça, mnha solidariedade em relação à tua mãe. já tratei de muitos pacientes com alzheimer e conheço um pouco da doença. é difícil mesmo. um grande abraço.

    p.s. Catarina, acho que você "foi pega" de alguma maneira pelo texto e confundiu isso com alguma intenção deliberada do autor. e ademais, há sim mães que são mães mas não têm talento pra coisa. há que se aceitar esse fato, ora.

    ResponderExcluir
  6. ops, acabei de ver o que catarina escreveu dps e retiro o que disse por ser desnecessário ;-)

    ResponderExcluir
  7. carol, eu sei, mas nenhuma mãe, mesmo sem jeito, merece. não levei a mal o comentário por achá-lo com qualquer intenção, não é isso. mas entre a mãe que perdi, literalmente da noite pro dia, e aquela que sou, minha felicidade diária, me tocou o comentário. achei desnecessário chamar alguém, mãe, desnaturada, nem que seja aquela que joga seu filho recém - nascido no ballde do lixo... ante isso só o silêncio, a urgência em salvar o bebé e a compaixão pela mulher que perpetrou esse acto... alguém é capaz de entender? eu não. ou sim, sei lá. leio muitos julgamentos que creio algo levianos nos blogs que leio, na maioria não comento, mesmo os que mexem comigo. mas este... pensei: quantas mães sofredoras!! não chamem a nenhuma "desnaturada"... bem, não vou falar de minha vida, meu deus, essa tendência para ser livro aberto tem sido minha desgraça... bj

    ResponderExcluir
  8. RM

    para si, sua mãe, um olhar doce que apazigue em si, dela, um segundo que seja essa Dor...
    Tudo menos indispo-lo nesse momento de homenagem a sua mãe. por favor me desculpe.

    ResponderExcluir
  9. um dos mais belos poemas de sempre:

    "No sorriso louco das mães batem as leves
    gotas de chuva. Nas amadas
    caras loucas batem e batem
    os dedos amarelos das candeias.
    Que balouçam. Que são puras.
    Gotas e candeias puras. E as mães
    aproximam-se soprando os dedos frios.
    Seu corpo move-se
    pelo meio dos ossos filiais, pelos tendões
    e orgãos mergulhados,
    e as calmas mães intrínsecas sentam-se
    nas cabeças filiais.
    Sentam-se, e estão ali num silêncio demorado e apressado,
    vendo tudo,
    e queimando as imagens, alimentando as imagens,
    enquanto o amor é cada vez mais forte.
    E bate-lhes nas caras, o amor leve.
    O amor feroz.
    E as mães são cada vez mais belas.
    Pensam os filhos que elas levitam.
    Flores violentas batem nas suas pálpebras.
    Elas respiram ao alto e em baixo. São
    silenciosas.
    E a sua cara está no meio das gotas particulares
    da chuva,
    em volta das candeias. No contínuo
    escorrer dos filhos.
    As mães são as mais altas coisas
    que os filhos criam, porque se colocam
    na combustão dos filhos, porque
    os filhos estão como invasores dentes-de-leão
    no terreno das mães.
    E as mães são poços de petróleo nas palavras dos filhos,
    e atiram-se, através deles, como jactos
    para fora da terra.
    E os filhos mergulham em escafandros no interior
    de muitas águas,
    e trazem as mães como polvos embrulhados nas mãos
    e na agudez de toda a sua vida.
    E o filho senta-se com a sua mãe à cabeceira da mesa,
    e através dele a mãe mexe aqui e ali,
    nas chávenas e nos garfos.
    E através da mãe o filho pensa
    que nenhuma morte é possível e as águas
    estão ligadas entre si
    por meio da mão dele que toca a cara louca
    da mãe que toca a mão pressentida do filho.
    E por dentro do amor, até somente ser possível
    amar tudo,
    e ser possível tudo ser reencontrado por dentro do amor."


    Herberto Helder, «Fonte, II», Poesia Toda.

    ResponderExcluir
  10. Roney,
    Fino-belo-agudo-escrito-esse-seu. Bizarro, mineiro!

    Eu também já cuidei de idosos com Alzheimer... é muito árduo para todos os envolvidos.

    Abracadabra!!!

    ResponderExcluir
  11. Fazia-me confusão o afã com que os meus irmãos do outro lado do Atlântico, faziam preparativos para homenagear as mães, no dia 10 de Maio.

    Por cá, as mães são celebradas no
    1.º Domingo de Maio... Não sei se houve decreto do Governo ou do Papa...

    Mas fui ver, e sei agora,que foi Getúlio Vargas que publicou o decreto que institui no Brasil, o
    2.º Domingo de Maio como o "Dia da Mãe".

    O que quer dizer que "Dia da Mãe" é sempre que o homem quiser... como o Natal... ou o dia dos amigos!

    Abraço, amigo!
    António

    ResponderExcluir
  12. Um viva... às mães!

    http://www.youtube.com/watch?v=wBkTUzKAiXQ

    ResponderExcluir
  13. uia!
    que sucedeu com amèlie???!!!!
    fritou a hospedaria? passou? fechou?...

    ResponderExcluir
  14. Catarina,
    os versos são mesmo muito bonitos...
    Reitero: seja bem vinda!

    Carol,
    thanks, querida, por comentário tão generoso.

    Beth,
    repito as palavras acima, na resposta à Carol...

    Tapadinhas,
    o que prova que políticos, ao contrário do que muitos pensam, também tem mãe... rss

    Portuga,
    viva!

    ResponderExcluir
  15. tá bom tá bom... portuga, mas não respondeu sobre sua amiga, cadê? apesar do génio "indefinível" dela, sempre procurava uma nova provocação. que deu nela!?

    ResponderExcluir
  16. rm,
    Sinto muito pela tua mãe. Eu sei o que é ver pai e mãe doentes sem poder fazer nada!! Um sentimento absoluto de impotência...

    Ser mãe ou pai é um ato de amor que as vezes, por causa do contexto, do momento, de coisas inintelligíveis parecem não ser o que são...

    Big big hug

    ResponderExcluir
  17. Texto forte, rm!
    E também muito triste...
    Sinto por vc e por estar passando por momentos difíceis com sua mãe...
    Mas a vida é assim! Somos testados a todo momento... Até onde vai a nossa capacidade de enfrentar os problemas...
    As agrúrias do viver!



    Beijos na alma!

    ResponderExcluir
  18. Valise,
    não tenho informações. Se você souber, me informe, por favor...

    Anônimo,
    ué, é anônimo ou Valise?

    Anne,
    Thanks, querida.
    E eu sei que ser mãe (ou pai) não é tarefa das mais fáceis...

    Ava,
    agradeço o simpático comentário. Vamos tocando o bonde...

    ResponderExcluir
  19. Catarina, só pra registrar que achei muito bonito mesmo esse seu comentário, depois que você o explicou. Acho bonito você pedir mais compaixão e menos julgamento - hoje em dia isso é tão raro mas tão necessário. Enfim, de novo, lindo o texto seu, rm e catarina, muito tocante seu comentário.

    abraços a todos.

    ResponderExcluir
  20. rm, vc já arrumou a maior confusão co meu cavalo e caleiro...

    Agora é com minha fadinha verde???????rsrsrsrsrsrsrsrs

    Já ví que vc não perde uma...rsrsrs

    Beijo avassalador p/ ti...

    ResponderExcluir
  21. Oi, RM:

    Passei para dar um alô, li, vi e gostei, embore ache que você continua adorando arranjar uma confusão, seja de que tipo for... Desta vez, estranhou-se com a simpática Catarina (ou vice-versa) e foi socorrido por um monte de mulheres. Esse mineirim é phoda...
    Sobre as referências à sua mãe, não sabia do drama, que também me comove. Já tive casos similares em pessoas muito próximas e amigas. É barra!
    Abraços,

    MR
    11/5 - 12:41

    ResponderExcluir
  22. RM querido, não estou nada em cima do muro nesse caso... pelo contrário.

    Não encaro nem como julgamento (sorry Catarina, até entendi seus comentários), mas existem sim "mães desnaturadas"... Cabe a elas o próprio julgamento!

    Querido, imagino o quanto foi difícil falar a respeito de sua mãe. Que Deus proteja e amenize todo sofrimento delas e das pessoas que a amam...

    beijo grande procê que é meio "pãe"

    Maroca

    ResponderExcluir
  23. A vida pode mesmo ser muito bruta e injusta.

    O mal de Alzheimer, por exemplo, nos rouba o que de mais valioso se tem, que é a nossa história de vida, as recordações, a memória de dias felizes...

    Imagino, RM, o sofrimento da sua mãe querida e a dor dos familiares que nada podem fazer a não ser esperar com paciência, e me solidarizo com vocês.

    Sinta-se abraçado. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  24. valise d'amèlie11 de maio de 2009 16:10

    RM,

    ... Je crois que j'ai trouvé...

    ResponderExcluir
  25. Carol,
    agradeço mais uma vez a sua simpática participação e conte comigo no abaixo-assinado contra aquele "péla" do Jabour (aliás, por que você não inclui o Reinaldão na lista, heim? rss)

    Ava,
    não perco o quê? Fadinhas gostosinhas? Ah, não perco mesmo... rss
    Ass: Capitão Gancho

    Dom MR,
    agradeço o comentário elogioso. Faz diferença vindo do dono de um dos melhores textos da blogosfera...
    Euzinho? Achei que esse textinho passaria em brancas nuvens, mas logo de saída a "simpática" Catarina me deu uma na orelha... rss

    Maroca,
    acho que sim, acho que existem pessoas, eventualmente mães, que não mereceriam esse título com conteúdo quase sagrado. É verdade também, que a maioria, presumo, tenta desempenhar da melhor forma o papel, tão difícil, sabemos. E são humanas, também erram...
    Foi difícil sim, gatona; não era minha intenção expor o caso específico mas, confesso, teve também certo efeito catártico...
    Thanks!

    Cora,
    agradeço o simpático comentário. Como falei à Maroca, não era minha intenção identificar a dedicatória do textinho, mas como dizia a Luciana G: escreveu; agora guenta!

    Valise d'Amèlie,
    achou rapidinho, heim? Congratulations!

    ResponderExcluir
  26. Feliz dia das pessoas que amam as outras, então. Porque cheguei tarde, porque tem filhos desnaturados, porque mesmo qdo não passo por aqui, fico sempre desejando o melhor pra vc. E espero que com sua mãe, o melhor possível.
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Uau!!! Gosto muito de palavras fortes, da ironia brusca! Do tapa na cara para um acordar de vida! Infelizmente muita gente não entende esta forma de expressão... Acreditam mais em palavras lindas, delicadas, cheia de decoros e pudores (não que sejam ruins, pelo contrário! Gosto muito da delicadeza nas palavras também...) Mas é que na atual situação de ignorância apática e automática humana, penso que seja bem possível a gente chutar o polido e usar o escancarado para sacudir esta monotonia hipócrita, esta quietude sanguinária... Adoro texto assim, que falam do que é feio, do lado horrível que todo ser humano possui e cinicamente esquece de acolher e assumir!(Finge uma perfeição inexistente e coloca-se num pedestal de deus-juiz) Oremos então em piedade às mães desnaturadas, aos filhos vis, aos pais assassinos, ao homem medíocre... Adoro suas peçonhas e acredito que elas sempre nos trazem uma delicadeza ao final de cada deguste...

    Olá, RM!!!! Voltando bem recebida aqui!!!! Parabéns pelas letras... E felicidades a sua mãe tão diferente destas...

    Beijos meus no coração!!!!

    ResponderExcluir
  28. RM! Voltando aos comentários, percebi que sua mãe está em estágio terminal! Minha sincera compaixão a vc e a ela! Meus sinceros desejos de paz e discernimento em superação a esta fase... Em qualquer final que aconteça, que seja leve e tranqüilo, como a certeza de amanheceres vindouros...

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  29. RM,
    vou ficar queitinha, tá?
    com mãe não brinco não, também não falo sério... respeito.

    huMMmmm... portuga por aqui... coisa boa. mais tarde assisto ao vídeo e volto ak (onde estou não tenho entrada no youtube), mas tem que valer a pena, porque senão volto e apago o charuto!!

    gente!!
    feliz da vida por isto e não falo mais
    !!!

    ResponderExcluir
  30. RM,
    vou ficar queitinha, tá?
    com mãe não brinco não, também não falo sério... respeito.

    huMMmmm... portuga por aqui... coisa boa. mais tarde assisto ao vídeo e volto ak (onde estou não tenho entrada no youtube), mas tem que valer a pena, porque senão volto e apago o charuto!!

    gente!!
    feliz da vida por isto e não falo mais
    !!!

    ResponderExcluir
  31. Eliana,
    agradeço o gentil comentário.

    Capitu,
    não imaginava que a postagem descambaria para o lado pessoal, mas enfim... Minha mãe está doente há 7, 8 anos, dos quais 3 ou 4 em estágio bem avançado da doença. O que significa não se alimentar (da forma usual), não se locomover, não falar, etc.; exigindo cuidados similares aos que requer um bebê. Seu fragilidade implica em que qualquer doença "oportunística" pode resultar na sua morte.
    O restante de seu comentário, vindo de uma moça tão talentosa com as letras, quase me convence de que tenho algum jeito pra coisa. Felizmente sou um feroz auto-crítico... rss

    Tetê,
    como dizia o Caetano: "se botar a mãe no meio, dou pernada às três por quatro e nem me despenteio..."
    Agradeço a participação, querida!

    ResponderExcluir
  32. Ei!!
    Mr. Pain
    !!!

    Pink Floyd... tô p(H)odendo com essa turma não!!

    Mas o vídeo até que é bonzinho... pra médio
    ! Rsssss


    Rm!!
    e né não, cafa??
    hj em dia é mãe disso, mãe daquilo...
    nossa!
    acho tão feio
    !

    Boa Noite, que vou dormir
    !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  33. Lindo texto, Roney. Sei o que sua mãe e você estão passando, pois passei o mesmo com minha avó que me criou. Lembrar do olhar que me olhava com amor e carinho, e que depois quando me via, nada via, olhava o nada, o infinito,perdida dentro dela. Doença maldita. Hoje, que ela já se foi, procuro lembrar-me somente da época em que ela ela. Um grande abraço,querido, para você e para ela.

    ResponderExcluir
  34. Obrigado, Júnia;
    pela gentileza e atenção.

    ResponderExcluir
  35. Oi gente meu nome É Fernanda e sofro por ter uma mãe desnaturada estava eu hoje chorando procurando algum texto que pudesse expressar meu sentimento, pois sofro sofri e sofro agressão verbal da minha mãe ... Que pra mim deve ter algum distúrbio mental. Vi alguns comentários onde li que nenhuma mereça ouvir isso... Não sou Boa com as palavras como as que eu li aqui... Mas sei exatamente o que é sofrer com uma mãe que te olha na cara e diz que te odeia sem nenhum motivo aparente pra isso..É pior quando vc tenta entender o porque isso ocorre consigo... acabo me consolando a pensar que esse problema não está em mim. Pois eu nada fiz pra não ser do jeito que a agrade, apenas nasci.

    ResponderExcluir