segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

AQUECIMENTO GLOBAL E TROLOLÓ


 Os 4 cavaleiros do Apocalipse (não; não são Chavéz, Moralez, Zelaya e Lula... rss)

O assunto da semana - e provavelmente das próximas - é o encontro de Copenhague, a Conferência da ONU sobre o Clima (ou COP-15), que tratará do tema das alterações climáticas mundiais e deverá propor medidas de combate ao chamado aquecimento global. O que entendo desse assunto? Absolutamente nada; mas confesso ter algum conhecimento sobre as origens históricas do tema e sinto-me perplexo com a baixa qualidade da informação disponível na mídia, incluindo a recente e grave denúncia do "climagate".


Ecologia ou Escatologia?

Sabe-se que a idéia do fim dos tempos é comum à maioria das culturas e também permeia grande parte do pensamento religioso, que erigiu vários mitos escatológicos. No caso da moderna civilização ocidental cumpre importante papel o livro bíblico do Apocalipse e a idéia, a ele subjacente, do Juízo Final. A tradição, de origem judaica, influenciou fortemente a cultura cristã, tanto na vertente católica quanto nas protestantes, e tem um sentido claramente "ecológico", segundo o qual o fim dos tempos é um castigo divino à desobediência dos mandamentos religiosos.

Desse modo pouco me espanta que religiosos, como Leonardo Boff (mais aqui), ou socialistas (que não deixam de perfazer uma religião), como Marina Silva, estejam entre os mais ativos brasileiros no que tange à questão ecológica e, em particular, ao chamado "aquecimento global". Nos dois casos a relação de causalidade é subvertida e a hipótese (o consumismo, o individualismo e o capitalismo) aparece como causa do desastre. Como é bastante comum no pensamento religioso, privilegia-se a ética em prejuízo da lógica (ou da ciência).


Bases "científicas" do fim do mundo

Mas a primeira concepção "científica" da idéia do fim do mundo só veio à luz no início do século XIX, pelas mãos do economista (e também pastor protestante) inglês Thomas Malthus. O célebre enunciado malthusiano rezava que enquanto a população cresce à taxas geométricas, a produção de alimentos cresce aritmeticamente.

Ora, se esta teoria apocalíptica fazia todo o sentido na pequena (em terras férteis) Inglaterra pós Primeira Revolução Industrial; a história, do próprio século XIX e dos posteriores, encarregou-se de desmentí-la. Mas perdurou sua influência no pensamento ocidental: a) uma nova ciência, a Demografia, construiu-se sobre os postulados malthusianos; b) também a teoria econômica, primeiro com David Ricardo e depois com os chamados "marginalistas", adotou boa parte de sua concepção, os rendimentos decrescentes da terra e a utilidade marginal decrescente; e, c) o surgimento de correntes neomalthusianas e "ecológicas" em fins do século XX, mantiveram o trade-off população/subdesenvolvimento e capitalismo/sustentabilidade ambiental.

Para resumir: as concepções escatológicas, intuitiva, religiosa e "cientificamente", são facilmente assimiláveis pelas pessoas em geral. Mas ainda que fundadas em argumento irrefutável, a relativa escassez de recursos, carecem de demonstração histórica. Vale dizer, apesar das previsões, o fim do mundo (ainda) não ocorreu.


Profecias não realizadas e progresso técnico

Já o primeiro estudo científico acerca do esgotamento dos recursos naturais é ainda mais recente e só foi levado a cabo em fins dos anos 60, início dos 70 do século passado. Foram reunidos especialistas de diversos campos da ciência sob a coordenação de um grupo do MIT (Massachusetts Institute of Technology), que fizeram diversas previsões sombrias quanto ao fim de reservas naturais e seu impacto sobre o crescimento econômico. A maioria das commodities essenciais, como o petróleo e outros minerais, tinham sua extinção prevista para os 30 ou 40 anos anos seguintes. Ou seja, para as primeiras décadas do século XXI.

Ora, como é sabido, isto ainda não ocorreu e as previsões catastrofistas foram sendo jogadas mais e mais para frente a cada revisão daquele estudo. E qual o problema dessas visões? Simples; em geral não levam em conta a enorme capacidade que tem o sistema econômico (capitalista) de se adaptar a restrições físicas, através da inovação técnica. O fim do mundo não ocorreu no tempo de Malthus, nem ao final do padrão tecnológico baseado no carvão e no vapor e nem ocorrerá quando o petróleo se esgotar. Não creio sejam necessários mais argumentos do que os fornecidos pela própria história: alguns desses eventos estiveram relacionados aos períodos de maior crescimento econômico de todos os tempos. Analogamente, as previsões de superpopulação (e a "decorrente" pobreza) não se confirmaram: ao contrário, a população envelhece inclusive nos países em desenvolvimento.


Mais recentemente, mas ainda na mesma linha, ganhou corpo a noção de que o "uso irracional" dos recursos naturais responde por sérios desequilíbrios ecológicos, com especial destaque para o tema do aquecimento global: a emissão de gases de efeito-estufa (sinônimo, em alguma medida, de crescimento econômico) estaria na raiz desse quadro, tão catastrófico quanto os eventos narrados por São João no Apocalipse.

O que deveria estar claro?

1) Que as previsões de aumento da temperatura estejam corretas.

2) Que as causas desse aumento sejam, de fato, as referidas emissões.

3) Que as tais emissões sigam em ritmo acelerado.

Pelo menos a terceira hipótese não se confirma: o gasto de energia por unidade de produto reduziu-se à metade no período recente e inclusive sem os compromissos de cúpula desejados. Mas também sobre as duas primeiras pairam sérias dúvidas e a recente denúncia de manipulação de dados sobre o aquecimento global, conhecido como "climagate", recoloca, de forma dramática, a baixa credibilidade das previsões escatológicas (aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui para um painel sobre o "climagate").

Vamos às conclusões. É preciso ser um completo mentecapto para não apoiar medidas de uso racional dos recursos, mas daí a assumir que a alternativa é o fim dos tempos é algo que ainda carece de comprovação científica e está, na minha opinião, mais próximo da escatologia religiosa.
.

75 comentários:

  1. Guri,

    Essa ideia da cimeira é só um pretexto para os políticos de todo o mundo e activistas de organizações mundiais viajarem para a Dinamarca, ocuparem hotéis, restaurantes e...

    Well, e fazerem um bom clima com as gurias de lá:

    http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=1440017

    ResponderExcluir
  2. Mas também é cada loura, Portuga... rss

    ResponderExcluir
  3. Até concordo c/ o Portuga, mas existe algo de errado no ar sim, nada de apocaliptico, é sujeira mesmo...kkkkkk!Se vc passar perto de uma usina de açúcar vai entender exatamento o que quero dizer, kkkkk!

    ResponderExcluir
  4. Valério,
    claro que há. O problema é quando tentam dividir o mundo entre santos e demônios; claro, os últimos sendo aqueles que discordam da TEORIA do aquecimento global...

    ResponderExcluir
  5. Essas questões de adversários, demônios e outras cositas mais... Eu odeio essa gente que vive hipócritamente! Na verdade o grande lance deles é $$$$$$$$$$ e muito $$$$$$$ e mais $$$$$$$$ e sempre $$$$$.

    ResponderExcluir
  6. Guris,

    Tô ocupado e desatento...

    Fica a dica: Quando o aquecimento for demasiado, não me chamem - têm pedras de gelo na geladeira, sirvam-se, guris!

    RM,

    Em Copenhaga tem loira demais, exagerada, platinada, Geisys Arrudas elevadas ao cubo e digo mais: aquelas loiras tomam banho agora e cinco minutos depois fedem a bacalhau mal demolhado que até aleija os sentidos. Quando lá estive, gostei mesmo foi da pequenina marmaid... Que linda ela é!

    http://z.about.com/d/cruises/1/0/h/s/1/copenhagen010.jpg

    ResponderExcluir
  7. Para Mr. Almost (ocupado e desatento, que seja...u-hum)

    http://www.youtube.com/watch?v=XoJ8qZcQfs0

    ResponderExcluir
  8. Valério,
    consta que a turma flagrada no "climagate" pega uma graninha legal para pesquisas...

    Portuga,
    ué, gostou não? Manda pra mim (com bacalhau e tudA... rss)!

    Cora,
    ah, é com o Portuga...

    ResponderExcluir
  9. É sim! pro encapetado...rs

    ResponderExcluir
  10. Havia deixado um comentário apressado e preguiçoso ontem que não ficou...
    Bem, difícil não acreditar que o "fim está próximo", ainda mais depois das chuvas da madrugada de segunda feira aqui em Sampa que fizeram a cidade parar (sem falar nas vítimas fatais).
    Por outro lado, você está certíssimo em seu tom "nem tanto ao mar" neste post. O que vejo é que esse quadro que pinta a proximidade dos 4 cavaleiros do apocalipse, serve para muitos ganharem dinheiro facilmente. Um exemplo disso é o recente programa de inspeção veicular implantado em Sampa para controle de emissão de poluentes dos automóveis.
    Estou com preguiça de relatar aqui os detalhes desse programa - até porque, bem informado como você é, seria ensinar o pai nosso ao vigário (apesar de vigário você ter nadica de nada ...risos!), mas só de ver que , neste primeiro momento, só estão inspecionando veículos de fabricação pós 2005 (ou 2006, não tenho certeza) é de se duvidar que tenham mesmo a intenção de controloar a emissão de poulentes!

    ResponderExcluir
  11. Ei dona japinha,
    a senhora como sempre vai na mosca: o sentido do post era esse mesmo. E é claro que o acúmulo de conhecimento nessa área, apesar de ainda modesto, aponta de fato para desequilíbrios ecológicos e climáticos graves.

    mas daí a pintar o diabo com cores tão fortes acho que acaba por desacreditar um pouco as previsões...

    Sem falar que, daqui a pouco, a Dilma vai culpar o aquecimento global pelo apagão... rss

    ResponderExcluir
  12. Well,

    Eu já nasci globalmente muito quente.

    E não é que as gurias, de tão intuitivas que são, têm muita facilidade em entender isso e eu tenho de fazer sempre umas cimeiras com elas?

    Sim, sou uma espécie de político e a ecologia sempre me foi um tema muito sensível e, sim, muito religioso, repito, muito religioso. É por isso que eu aviso:

    "olha o jacto! Olha o jacto!"

    Rsss... Auuuuuhhh!

    ResponderExcluir
  13. Ei, RM?

    A Van está dilatada!

    Menino! Que loucura, né?

    ResponderExcluir
  14. Jactante comentário, Portuga... Tem certeza de que não está febril?

    Sim, dilatada poesia, expansiva voz...

    ResponderExcluir
  15. Bem, monsieur,
    podemos fazer uma campanha para amenizar o seu "super aquecimento".

    ResponderExcluir
  16. Isso aí, parceirim! Não sei o que é pior, os que se aproveitam da situação para ganhar dinheiro ou se aqueles que usam-na como muleta.
    E se a Dilma for eleita eu vou culpar o aquecimento global.

    ResponderExcluir
  17. Peraí, Udi,
    mas nesse caso o desastre "ambiental" já terá ocorrido... rss

    ResponderExcluir
  18. Udi,

    Faz uma campanha pra mim, faz!
    Pequenininha... Isssuuuuuu!


    Trinta minutos depois):

    Sempre gostei de você, independentemente das campanhas. Mas são boas, que boas as campanhas maravilhosas que você faz, madame!

    (Contudo, acho que não é capaz "daquilo" do Oshima relacionado com o Colombo...)

    ResponderExcluir
  19. Portuga: o comentário é dirigido à Udi, mas o blog é meu. Atenção!

    ResponderExcluir
  20. Ai parceirim, se essa catástrofe ambiental está em curso, vou virar militante ecológica fanática.
    (olha que não seria um slogan ruim para o PV: salve o meio ambiente, não vote na Dilma!)


    Monsieur!
    Fine! Mais um avanço em nossa amizade para receber bem a brincadeira, mas devo dizer que ainda (ou já?) não estou cacarejando.

    Sabe que, nestes tempos em que a caretice (conhece o termo?) anda botando as manguinhas prá fora, resgatar e fazer uma campanha pró exibição em massa de Império dos Sentidos não seria má idéia.

    ResponderExcluir
  21. Udi,
    registre o slogan antes que o façam por você... rss

    Mas e quem vai nos salvar da Marina? rss

    ResponderExcluir
  22. Caboclo,

    Isto não é um blog, é um chalé na montanha, right?

    Udi,

    Não foi nas manguinhas e não foi para fora... Foi para dentro dos bolsos das calças, das meias, do envelope, do "paletó"... Passou aqui em Portugal ontem na TV. Você não viu o video?

    ResponderExcluir
  23. Sim, é um chalezinho, mas ainda assim é meu. Agradeço.

    ResponderExcluir
  24. RM,

    O direito de propriedade, ainda que tendencialmente absoluto, não é incompatível com outros direitos reais menores, designadamente com os direitos reais de gozo.

    Pergunte à Cora se não é assim, pergunte!

    ResponderExcluir
  25. Certamente. Mas o (meu) direito à propriedade me permite excluir comentários que EU considere de mau gosto, sem prejuízo de outras represálias.

    Ah, pergunte você!

    ResponderExcluir
  26. RM,

    Chega aqui, vem cá...

    Não se apegue tanto aos bens materiais porque quando a gente morre deixa cá tudo, incluíndo os comentários que VOCÊ considera de bom gosto... Sem prejuízo das sandálias, claro.

    O bom gosto é apenas um conceito, pessoal, individual, particular, que depende na maior parte das vezes do humor com que se está. Divirta-se, isto é o seu chalé!

    ResponderExcluir
  27. Sim, por isso mesmo melhor excluir os SEUS comentários de mau gosto, em favor de eventuais leitores que permaneçam vivos...

    Já o mau gosto deve se relacionar a um péssimo humor, não?

    Faça o que bem quiser com as sandálias e sim, eu continuo me divertindo com esse bloguinho. Caso contrário o fecharia...

    ResponderExcluir
  28. What?!!

    Quais comentários meus de MAU gosto? Impossível! Repara: você diverte-se e eu divirto-me. Isso é que é o certo.

    Não. O Mau gosto tem mais a ver com a falta de sentido estético e crítico. Por exemplo:

    Se eu fizer um comentário falando mal do Lula você acha o comentário de bom gosto, independentemente do seu mau humor. Porém, se o Lula o lesse, acharia que eu havia feito um comentário de mau gosto, mesmo que estivesse de bom humor no momento.

    Ou seja: quando se faz um comentário fica difícil agradar a todos e, então, o importante mesmo é que as pessoas se divirtam.

    ResponderExcluir
  29. E... Além de você, não vi ninguém a queixar-se do gosto dos meus comentários.

    Você viu mais alguém, caboclo?

    ResponderExcluir
  30. Pelo visto o mau gosto também deve se relacionar com a incapacidade de reconhecê-lo nos próprios comentários...

    Ao menos foi capaz de identificá-lo "com a falta de sentido estético e crítico." Mas não só: também com a falta de limites e de educação.

    Não creio que comentários (claro, refiro-me aos blogs) devam agradar a todos e acho que tenho isenção para afirmá-lo. Mas também não creio que com eles se deva agredir ou ofender, GRATUITA e PUBLICAMENTE, as pessoas. Menos ainda que se use a "casa alheia" para assim fazê-lo.

    ResponderExcluir
  31. RM,

    Somos da mesma geração. Estamos a ficar velhos (não me refiro ao processo físico do envelhecimento, mas ao processo mental). Penso que a idade torna as pessoas mais intolerantes, menos elásticas, menos flexíveis, que fecha-lhes a mente. Aquilo que nós próprios faziamos alegremente e sem qualquer pejo na nossa juventude, hoje causa-nos os maiores pudores -julgando nós que isso nos traz maior seriedade e maior respeitabilidade. Mas a verdade é que não traz. Ficamos é uns chatos, uns púdicos, uns velhos, umas antas.

    Eu luto contra esse processo com arrogância, com irreverência, com algum risco de ser mal entendido ou de ter um mau momento, mas com o vencimento de não me desprender em definito da jovialidade e de manter a mente flexível. Julgo que é por isso que continuo a ter amigos jovens e a relacionar-me muito bem com eles.

    Quando eu tinha doze, treze, catorze anos havia em casa um disco que os meus pais odiavam e que eu adorava. Penso que tem muito a ver com este tema. Peço-te, seu cabeludo preguiçoso, que vejas dois temas desse album e entendas melhor o que estou tentando dizer-te aqui e quando falo em me divertir. Combinado?...

    1 - http://www.youtube.com/watch?v=4Cq8qKk2aSM

    2 - http://www.youtube.com/watch?v=UIBy_ZHtJOU

    ResponderExcluir
  32. AHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!!! ops, desculpe a intromissão, mas gostei sobretudo de tudo, é que odeio a abundância de fullofshit! quem paga minha f(a)iança?! :-) que dois resmungões !

    ResponderExcluir
  33. Ei Peixe,
    é você mesma?
    Ah, nada demais, só o Portuga que se excedeu na dose, pra variar e prefere não reconhecer que o fez, pra variar também...

    Portuga,
    o fato de ninguém mais reclamar pode significar que: a) os demais leitores dão menos importância a esses aspectos que eu; b) os demais leitores, ao contrário de uns, sabem se comportar melhor na casa alheia; c) os demais leitores não leram a sua piada de mau gosto.
    De todo modo eu continuo sendo o dono da casa (ou chalé) e isto me basta para me pronunciar, obrigatoriamente, sobre comportamentos com os quais não posso concordar.
    Quanto a outros aspectos, por você arrolados com o objetivo de defender o indefensável, devo dizer que sinto-me cada vez menos conservador, porém mais crítico.
    Musiquinha boa...

    ResponderExcluir
  34. Tá vendo, caboclo?

    Já estás com outro espírito e melhorando! Rsss...

    Vamos fazer o seguinte: Tu fica de olho nas virgens cinquentenárias e eu nas noviças que se portam mal.

    Para evitar atritos, né?

    ResponderExcluir
  35. Peixinha, darling!!!!

    Você voltou! Eu pago a fiança! Péra, vou descalçar os sapatos e a meia... e... 50 dólares, né?... Posso despir mais fullshit ou já tá bom assim?

    Peixe é muito bom! E faz bem!

    Seja bem retornada ao chalé!

    ResponderExcluir
  36. ahahahah. brigada gente. sou eu mesma sim, ou não dá aí no screen do ipê!? :0??????????? rsss. pois o papo como sp. é só pra quem entende, né??? ora cinquenta não tenho e virgem nem na orelha, tadinha, agrafada desde os 16 anos!! rsss. bom vos ver, na mesma porém!

    ResponderExcluir
  37. ó mister quasi, 50 dolar paga a sua, né?!... pois, a vida é dos espertos!!! xiiiiiiiiiiiiiiii. que bem se estava em marte!

    ResponderExcluir
  38. Portuga,
    mais um engano seu: meu humor, constante, em nada mudou com essa conversa.
    A grande questão é: elas, independente da idade (e "comportamento") estarão de olho em quem? rss

    Peixe,
    é você mesma, não tenho dúvidas. Suponho que, peixa como és, tenha voltado de uma migração. Aqui no Brasil chamamos "piracema"...
    16? Putz... rss

    ResponderExcluir
  39. e o senhor já não risca mais nada no seu "cafifo-ilumimati"?! rss. não tem assunto?...

    ResponderExcluir
  40. dezasseis sim! nas orelhas, ouviu bem???... que de resto ñem é meu signo, oras. "piracema" desconheço e não esquenta ou esfria que não demoro mt não! vim só de passante. :)

    ResponderExcluir
  41. Ah, nas orelhas... Ué, peixe tem orelhas? rss

    E foi você a deixar um comentário no outro blog? Sorry, não reconheci a "assinatura". Claro que és muito bem vinda lá e cá.

    Mas fica mais, moça!

    ResponderExcluir
  42. vai ver no ipê!!! óóó. qual outro? onde tu escreve feminino??? e a 3??? "wow"???... vc heim?!

    ResponderExcluir
  43. Ipê? Sorry...

    Sim, escrevo feminino e não a 3, mas a 6... rss

    ResponderExcluir
  44. ahahah! touche!, mas não pescada!! rs

    ResponderExcluir
  45. RM,

    Não me preocupo com elas, se olham ou não, para quem olham ou não olham. Concentro-me na minha atitude e deixo que elas percebam que sou seguro, ousado, provocador, macho. E nem é difícil caminhar com insinuações na pélvis, abrir as pernas a mais de quarenta e cinco graus quando sentar, o sorriso libidinoso na boca, o olhar nos lábios delas, nos olhos delas, nos seios delas, sem ser excessivo ou demasiado invasivo.

    Após isso, não preciso de olhar para ver para quem as moças estão a olhar ou para onde estão evitando olhar sem conseguir: é pra mim!

    Não melhorou de humor?... Hum... Vamos lá a ver.... Que você almoçou hoje?... Se fechar os olhos em pé, tem desiquilíbrios, vertigens?... Hum...

    Você está precisando de trepar, homem! That's it!

    ResponderExcluir
  46. Peixinha,

    Dezesseis nas orelhas é um número considerável.

    Agrafada nas orelhas como, usa piercing?

    Um dia vou te colocar um num sítio que você vai gostar! Confia em mim! Rsss...

    ResponderExcluir
  47. ahahahah! ó rm, não sei o que vc comeu ao almoço, mas tenta deixar lá digerindo, mesmo depois de VISUALISAR MENTALMENTE esse cenário descrito pl mister quasi, que insiste em minguinorar, só pra eu acenar pra ele! olá´´aáááááá´!!! tá bonzinho?? (pronto. pode despencar... ops)

    ResponderExcluir
  48. Peixe,
    ah, mas se espetou, pescar é só questão de tempo... rss

    Portuga,
    não melhorei nem piorei de humor. Em nada me incomodam as suas asneiras, mas o que podem causar ao humor de outros amigos com quem convivo aqui.
    Ah, também não disse que me preocupa para quem elas olham, apenas que esta é a grande questão.
    Fechei. Não tive vertigens... rss

    ResponderExcluir
  49. xiiii. despencou!! e logo me prometendo ameaças cm sempre!! colocar aonde!??? se eu confio em vc!????... posso passar?! rss

    ResponderExcluir
  50. Viu, Caboclo?

    Não olhei para a peixinha exageradamente, e ela já está olhando "pra mim".

    É técnica, entendeu? Rsss...

    ResponderExcluir
  51. raspou!!! não espetou coisíssima alguma! rss.

    ResponderExcluir
  52. vcs 2 eu insisto, mas deviam casar! já vi por menos. eu heim?...rss

    ResponderExcluir
  53. Peixinha,

    Não tem medo, mulher! É um piercing pequenininho que implantarei carinhosamente num local bem discreto, recôndito (pelo menos até aos dezasseis anos).

    Você vai gostar! E fica lindo, brilhante, reluzindo... Deixá comigo!

    ResponderExcluir
  54. Portuga,
    é verdade, lembrei-me do ditado que diz: falem mal, mas falem de mim... rss

    Peixe,
    se raspou é questão de tempo espetar... rss
    Quanto à sua sugestão: eu heim, boi? rss

    ResponderExcluir
  55. tá maluco?!!!! esse comité fechou faz tempo homem!! pensa que meus lugares reconditos são a casa da mãe joana?! vai lá coloca seu carinho nas ovas de outra!!! HÓMEIM É TUDO PAIÀÇO!!! rsss, liga não, tou só me despedindo com humor suspeito!! eu sei que tu me odeia, só não sei pq, mas nao faz mais mossa não. adeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeus!

    ResponderExcluir
  56. Eu hein, peixa-boi? rssss...

    Casar está fora de moda. É old fashioned!

    Bom você ter reaparecido, peixa! Vou te homenagear ao jantar, comendo umas ovinhas de peixa fritas.

    Você também gosta?

    RM,

    Esconde aquele video dos chineses! Não o mostres à peixinha, coitadinha!

    ResponderExcluir
  57. outro que quer espetar e pescar!! mas isso é karma ou fiadaputagem!! á meu padinhopádecisso! gente ruim e marvada essa... snif, viNda cruelA...

    ResponderExcluir
  58. adoooooooooooooooro ovas de pescada, falo sérinho, pra variar sua cambada de vigários. e por falar nisso, fui. pronto falei. bjs pra tds gostei do "lá em casa td bêbado". inté catraios!

    ResponderExcluir
  59. Ué, Peixe!

    Você queria ficar só "raspando"? Ah, pra isso acho que o Portuga é melhor mesmo... rss

    ResponderExcluir
  60. Isso aqui tá chapa quente! Ui! rs

    ResponderExcluir
  61. eles queria a chapa pa me fritar!! rárárárá, mas levam cru e dura de roer! póim!

    ResponderExcluir
  62. Eu desonfio dessa gente que briga tanto d'além mar, parece mais ser nordestina brasileira.

    ResponderExcluir
  63. percebi porra nenhuma ó cocó!(não leva a maR...rss). que verbo é esse, fio, "desonfiar"!?!!! eu heim!

    ResponderExcluir
  64. Coco-queimado do Porto? rss

    "Desonfiar" deve ser ter filho (fio) ao contrário... rss

    ResponderExcluir
  65. lolololololololol!!! ter fio ao contrário!!! ahahahha. do porto?! peraí que não fui eu!!! e deixa de ser essa coisa de xibo! sp a "desonfiar"!!! rss
    p.s. se não sabe o que é xibo pergumta pro portuga pergunta.

    ResponderExcluir
  66. xibiu?! essa num sei eu... passa lá pra cima que aqui não tarda e estamos em número CAVAlístico! lololol

    ResponderExcluir
  67. ops... fiuuuuuuuuuuuuu!! inguinora inguinora!!! fui...

    ResponderExcluir
  68. Guris,

    Olhem o respeito, hein?

    Coco,

    Você gosta mesmo é de palhinha no golpe, né?... Rá! Mas eu não sou desses! Te erra! Rsss...

    Fui bem, não RM?

    Sim, sim, decoroso.

    ResponderExcluir
  69. Rsss... Palhinha.

    Claro, você não sabe de nada. Bom sinal, peixinha!

    ResponderExcluir
  70. Virge!
    Valeu pelas cenas de Hair!

    ResponderExcluir
  71. Udi,

    Eu adoro essa música e esse teatro, desde infância. Bom que você também!

    ResponderExcluir