segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

VIOLÕES BRASILEIROS (3)

Falecido há pouco mais de 5 anos, Paulinho Nogueira foi o professor de violão da minha geração. Seu método, criado em fins dos 60 e traduzido em diversas línguas, incorporava o jeito suave e a harmonia complexa da bossa nova. Entre seus alunos ilustres destacam-se Toquinho e Yamandu Costa.

Artista completo, aventurou-se nas artes plásticas e até na criação de instrumentos; é dele a patente da craviola, um violão de 12 cordas, que buscava combinar as sonoridades do cravo e da viola caipira. Compositor profícuo, entre as suas cerca de 50 obras fizeram muito sucesso: Menino, desce daí, Menina e Simplesmente (o bem verdadeiro). Dos poucos violonistas clássicos que tocavam sem unhas, seus arranjos e composições refletiam a doçura das cordas de nylon.

Uma busca na internet aponta cerca de 900 vídeos relacionados (vejam aqui, vale a pena ouvir a Bachianinha n.1, da autoria dele). Escolhi essa execução de Samba em Prelúdio (Baden Powel/Vinícius de Morais), na qual, inacreditavelmente, ele toca as duas melodias ao mesmo tempo. E ainda faz parecer simples (simplesmente).



Simplesmente (Paulinho Nogueira)

Quantas vezes eu já fracassei/Quantos bons momentos desprezei/Por pensar demais, por ouvir demais/Por não saber olhar a vida simplesmente/Dentro desse louco turbilhão/Cada um querendo ser melhor/É muito melhor se deixar ficar/Em tudo que você sentir/Simplesmente/E logo de manhã olhar bem dentro de você/Nas coisas como você vê/Duvidar então do que querem/Fazer você olhar, fazer você ouvir/Fazer você pensar/E chegando a noite devagar/Descontrair sua razão, soltar de leve o coração/Procurar alguém, o seu bem verdadeiro tão somente,/Que vai saber simplesmente o que e bom pra você.


ATUALIZAÇÃO (20/02/09 às 22:00 hs.)

Em atenção a uma leitora muito simpática, segue a faixa em gravação original de 1974.


26 comentários:

  1. Genial, não só o dom do artista, mas também a intimidade, a simplicidade e a humildade que transparece do video!

    RM,

    As gurias vão gostar! Mesmo as mais "frescas"!

    ResponderExcluir
  2. Fantástico. Se eu não tivesse visto o vídeo, eu poderia jurar que eram dois violões. Quero saber quando é que vai o vídeo de você tocando.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Paulinho Artur Mendes Pupo Nogueira – Mestre.

    Fascinante e belo!

    Coração Violão. Toque delicado e paciente. Tons e Semitons, contrapontos e dissonâncias...Melodia e harmonia perfeita.

    “Belezura de gostosura” o arranjo do vídeo do post. Uau! E Ária na 4ª Corda de Bach em violão solo! E a cadência de Frevinho Doce e Flamingo, também bons de apreciar:

    http://www.youtube.com/watch?v=27_vZxpl-2U&NR

    http://www.youtube.com/watch?v=4IrEnMaEfvw

    Tem um outro vídeo curto com uma entrevista do Paulinho Nogueira concedida em 2001, em que ele conta como foi que tudo começou e toca Quem te Viu Quem te Vê do Chico, lindamente.

    http://www.youtube.com/watch?v=WuPN3PoJiSo

    Eu, quando gosto, gosto, simplesmente. Gracías RM, pela dica e por ter voltado a postar =).

    ResponderExcluir
  4. Mr Portuga,
    sempre confiei no seu apurado gosto musical...

    Valério,
    a greve é um direito legítimo (quando não se tem estabilidade, né?); mas você podia ao menos informar os motivos...

    Chef Nicolau,
    assista a outros vídeos; há alguns realmente impressionantes.
    Rapaz, eu nem tenho mais violão! Mas outro dia achei uma fita cassete, de mais de 30 anos. Se conseguir digitalizá-la, acho que vou colocar um player aí na coluna lateral (só pra lembrar do que um dia já fui capaz...).

    Cora,
    aparentemente o Mr Portuga tinha razão... Que bom, fico feliz!

    ResponderExcluir
  5. Ops,
    mais de 20, não de 30 anos...

    ResponderExcluir
  6. Nossa, nem esfriou no caixão. Rssss

    Mas o melhor é que retornou com a corda toda!!!


    Beijos, everybody!

    ResponderExcluir
  7. RM,

    ... Quem tinha morrido, hein?

    Ah... O Paulinho, tocando assim, é imortal.

    ResponderExcluir
  8. Bem, Mr Portuga,
    eu ainda nem postei a continuação da "ópera bufa" e já tem gente querendo me matar... rss

    (um craque, gajo! Você o conhecia?)

    ResponderExcluir
  9. RM,

    (Não não conhecia o gajo, mas gostei muito; e a "fresca" também gostou «simplesmente», como se havia previsto.)

    Pôxa, Querem te matar?... Hum!... A solução é não deixar (e não dar muita corda).

    ResponderExcluir
  10. RM, entro na internet uma vez por semana. Assim não dá. Não consegui nem ficar com saudade de ti! rs
    Que bom que voltou, seja lá o motivo, há de ser um bom.
    Eu voltei também, isto é, tirei o lacre. Deixei a porta encostada. Se quiser, volta lá e me adiciona na confraria de novo.

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Esqueci de comentar o post em si. Essa série está deliciosa, quando você a começou eu havia me esquecido completamente do violão de Paulinho Nogueira.

    ResponderExcluir
  12. Japa,
    considere também a possibilidade de não haver nenhum motivo... rss

    Como eu não consigo sossegar, tô inventando nova série, sobre os letristas da mpb... aguarde!

    ResponderExcluir
  13. Lindo, lindo...concordo, ninguém morre com esse talento.

    bjs

    ResponderExcluir
  14. Ei dona Patty,
    me alegra que tenha gostado e espero que não queira me matar amanhã, quando postar a continuação da "ópera bufa"... rss

    ResponderExcluir
  15. hehe... adorei a lembrança que vc faz aqui ao injustiçado Paulinho Nogueira e a provocação que vc deixou no meu blog... vc é que pensa que náo passo por aqui... passo mas não comento ... sou silencioso as vezes embora não seja mineiro... a provocação ( sua) é por conta de dizer que não comento aqui pois vc pega pesado contra o governo que defendo... eu não defendo , apenas digo que na mesma proporção que ele comete cagadas também comete acertos...sua má vontade é que não enxerga isso... será que vc prefere seu "mestre" aécio ??? hehehe... agora a provocação foi minha
    abraço

    ResponderExcluir
  16. Prezado Ricardo Soares,
    prazer, raro, vê-lo comentando aqui. O artista era mesmo um craque e, ao que consta, pessoa de muito bom caráter, deixou muitos amigos...

    Bem, o que você chama de má vontade eu chamo de (esgotamento de) paciência; o atual governo está entrando no sétimo ano e, na minha avaliação, ainda abusa das "cagadas" e economiza nos "acertos". Mas gostaria muito de dialogar com você (e com outros que tenham uma visão mais benevolente que a minha) sobre os "acertos" desse governo; sua importância, seu alcance e sua abrangência...

    Apesar de ser bem mais velho que eu (acho que ele tem 49 anos... rss), o atual governador de Minas foi meu colega de turma na universidade, de sorte que não posso considerá-lo mestre, a não ser em política, coisa para a qual ele parece ter sido talhado, genética, familiar e profissionalmente.

    Não faz governo dos mais realizadores, mas também não se pode afirmar o contrário. Encontrou uma máquina pública praticamente destruída, recuperou a estabilidade financeira do Estado e alguma capacidade de intervenção e indução de políticas públicas e investimentos privados.

    Ao contrário do presidente da República, sabe escolher auxiliares, sabe demití-los, sabe manter sob relativo controle os excessos e descaminhos, inevitáveis em qualquer governo, no trato com o dinheiro público.

    Tem boa formação política e técnica, não precisa de tradutores para entender os grandes temas políticos e econômicos da atualidade. Como falei: é do ramo!

    Mas, principalmente, é herdeiro de uma forma quase extinta de se fazer política no Brasil (inclusive em Minas). Pelo diálogo, pela negociação, pelo respeito às regras e preservada uma ética mínima. Coisa praticamente incompreensível pela forma "paulista" de se fazer política, em geral truculenta e grosseira.

    ResponderExcluir
  17. RM, não se preocupe. Na verdade, não me importo muito com a sua ópera bufa. Eu tenho essa mesma sensação do Ricardo, sua má vontade faz com que vc só enxergue o mal. Ou prefira assim, vai saber. Não conheço seus projetos políticos.

    De resto, gosto dos violões e dos cantos de Minas. E, claro, de vc.

    Bjs

    ResponderExcluir
  18. Ei dona gatona Patty,
    acabei de explicar para o Ricardo que não é má vontade, mas limite de paciência. Sou, sempre, pelo diálogo e não tenho pruridos em mudar de opinião, desde que convencido, pela força das ideias e argumentos. Não me impressionam argumentos de autoridade nem pressões de grupos organizados.

    Se eu estiver errado em relação às críticas que venho fazendo quanto à postura adotada frente à crise; tenha certeza, serei o primeiro a admitir e aprenderei (ou ao menos tentarei) com o erro. Melhor que posturas previamente cristalizadas, não acha?

    Mas a ópera bufa não é minha e sim patrocinada por esse governo que a senhora acha que eu enxergo mal. Aliás, falta só o patrocínio oficial da PETROBRÀS ou do Banco do Brasil, pela Lei de Incentivo à Cultura... rss

    E posso falar que há forte reciprocidade quanto à sua última frase...

    ResponderExcluir
  19. RM,
    me encanto com instrumentos de corda, inclusive os de uma só. rs
    Pena que não consigo tirar uma notinha. rsrs

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Ei baianinha,
    aposto que é dengo e você deve ser ótima tocadora de berimbau, pois, afinal, como dizia Gil, "toda menina baiana tem um jeito que Deus dá..."

    ResponderExcluir
  21. Uau! Isso que é uma boa memória aliada a um ouvido apuradíssimo!
    Obrigada pelo deleite e pelo refresh na memória.
    que bom que não foi embora :)

    ...de novo, um comentário teu, lá no blog da Teresa me traz aqui: doce de leite com doce de cidra?! esse paladar combina com esse ouvido?!

    ResponderExcluir
  22. ...mas não encontrei o "Simplesmente" no YouTube. Acho que não conheço... (santa ignorância, Batman!)

    ResponderExcluir
  23. Ei Udi,
    a música é de 74, nega; você nem tinha nascido... Coloquei aí pra você escutar!

    (a combinação de doces é uma brincadeira com outra blogueira, mas você já experimentou?)

    ResponderExcluir
  24. aaah! claro! por isso eu não conhecia... nem tinha nascido ...ãn hãn!

    até a metade da canção eu não reconheci nada, mas ao soar a melodia dos versos "eeeee logo de manhãããã... olhar bem dentro de você nas coisas como você vê..." percebi que a melodia estava aqui, guardadinha... mas sem nenhuma associação a uma situação, pessoa... agora você corre um risco seríssimo se a canção me ficar associada à sua pessoa
    ...por saber assim, tão simplesmente, o que é bom prá mim.
    bom carnaval e thaaaaanks much!

    ResponderExcluir