domingo, 26 de setembro de 2010

PAUSA NA POLÍTICA?






Não no protesto... Seguem 6 artistas que se notabilizaram pelas chamadas "canções de protesto" nos anos 60/70. A temática variou dos chamados "direitos civis" à Guerra do Vietnã e transformou-se mesmo numa espécie de "gênero", com mercado segmentado... E subsiste ainda hoje, atualizado o ideário com causas relacionadas a minorias e ecologia.

Mas o critério de escolha, como soi acontece nesse bloguinho responde, única e exclusivamente, ao meu (modesto) gosto musical. Como de praxe, duas de cada:


Com Bob Dylan, Like a Rolling Stone (Bob Dylan), 1965 e Hurricane (Bob Dylan/Jacques Levy), 1976. A primeira é considerada uma das mais influentes canções de todos os tempos; a segunda uma fantástica crônica de um boxeador negro, preso em 1966, acusado de assassinato.

Joan Baez, uma espécie de "musa do protesto" gravou praticamente tudo o que foi produzido no mundo nessa vertente. Aqui: Blowin' in the Wind (Bob Dylan), 1963 e Di-Da (Joan Baez), 1974.

A banda americana The Association ficou famosa pelo hit contra a Guerra do Vietnã, "Requiem for the Masses". Aqui escolho Cherish (Terry Kirkman), 1966 e Never My Love (Donald Addrisi/Richard Addrisi,), 1967.

Bob Marley foi outro ícone da contestação na década de 70. No Woman, No Cry (Vincent Ford), 1974 e Is This Love (Bob Marley), 1978.

Com John Lennon, Give Peace a Chance (John Lennon), 1969 e Power to the People (John Lennon), 1971.

O trio Peter, Paul e Mary também notabilizou-se pelas canções e causas políticas abraçadas. Where Have All the Flowers Gone (Pete Seeger/Joe Hickerson), 1961 e Good Morning Starshine (James Rado/Gerome Ragni), 1969. Esta última do famoso musical Hair.



.

6 comentários:

  1. Bem... eu fui beeem meio 'babaca' (num´'ótimo' sentido!). :P
    Escutei Association quando saiu a bolachinha de 45rpm; gastei de tanto ouvir, tinha 15/16 anos.
    Hoje não vejo nada demais na musica, embora ela esteja em minha cabeça neste momento e não me incomodando; na verdade, é meu estado de espírito da época, minha 'criancice' da época que me 'incomoda'.
    Com as musicas do Peter Paul end Mary foi a mesma coisa.
    Comecei a melhorar (e a me achar musicalmente, entre outras coisas), a partir de I Want To Hold Your Hand.

    Sei lá, sabe, mudei meu gosto ou, descobri outras coisas que me satisfazem mais plenamente.

    ResponderExcluir
  2. Legal o comentário, Sylvio.

    Eu estou entre aqueles que defendem a mais ampla supremacia da música sobre a letra, embora nessa seleção estejam letristas excepcionais como Dylan e Lennon...

    ResponderExcluir
  3. Mineirim! Cê arrasou com esse post!
    Acho que posso dizer, com quase toda certeza, que esse foi o que mais gostei. Talvez por ter sido no momento mais oportuno e também por ter canções que me pegam fundo (sou uma "protestante"? ...risos!)
    Grande sensibilidade!
    Thaaaanks much for that!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Ei dona japinha,
    sempre às ordens... rss

    E aqui: bons tempos aqueles em que ser "de esquerda" era defender as liberdades, heim?

    ResponderExcluir
  5. Criei um blog sobre meu time de coração que é Fluminense e gostaria de perguntar
    se você poderia me ajudar fazendo uma parceria de link comigo,desde já muito
    obrigado e parabéns pelo seu blog:
    http://fluzaoeterno.blogspot.com/

    Fluzão Eterno

    Ainda tenho o
    http://fazendadohumor.blogspot.com/
    Humor
    http://atualinformaticanews.blogspot.com/
    Informatica
    http://www.heroisdavida.blogspot.com/
    Vida de bombeiro

    Por favor me ajude com essa parceria de link ai,um abração e fico na torcida para
    que você aceite

    ResponderExcluir
  6. Prezado "Flusão Eterno",
    agradeço muito o convite mas declino. Outrossim, fique à vontade para divulgar seus blogs nesse modesto espaço...

    ResponderExcluir